jusbrasil.com.br
13 de Dezembro de 2018
    Adicione tópicos

    Biblioteca da Assembleia Legislativa recebe o nome de Deputado Marcelino Antônio Dutra

    Conforme Jorginho Mello, a reinauguração da biblioteca tem como objetivo mostrar a nova fase digital do setor. “Colocar o nome dessa biblioteca como Deputado Marcelino Antônio Dutra é homenagear um grande catarinense. Santa Catarina deve se sentir orgulhosa por isso. Estamos resgatando a nossa história”, disse.

    Também estavam presentes no evento familiares do ex-deputado como a trineta Lenir Wanda Dutra da Veiga, de 80 anos. “Receber uma homenagem é sempre muito gratificante. E estar aqui significa muito para nós porque sabemos que estamos representando alguém que trabalhou muito por nossa cidade e por nossa cultura”. O representante mais novo da família, Caio Zanetti Dutra, de quatro anos, descerrou a placa com o deputado Jorginho Mello.

    Em nome da Academia Catarinense de Letras, Lauro Junckes destacou as obras do homenageado. “Além de político, Marcelino era um grande escritor. Aliás, ele é considerado nosso percussor, sendo considerado nosso primeiro escritor”.

    Marcelino, que já foi professor, promotor público, poeta e jornalista, assumiu pela primeira vez uma cadeira no Parlamento catarinense em 1844 e foi duas vezes presidente do Parlamento, em 1857 e em 1861. Também é autor, dentre outros, do poema “Assembleia das aves”, uma crítica bem fundamentada a respeito da política catarinense do século XIX. Nesta obra, ele batizou amigos e rivais com nomes de aves.

    O acervo do Legislativo é formado por 6 mil livros e, em conformidade com a lei dos direitos autorais, as obras que têm esta prerrogativa legal estão sendo digitalizadas. A biografia completa de Marcelino Antônio Dutra estará disponível na página da Assembleia na internet (www.alesc.sc.gov.br), no link da biblioteca virtual. Uma cópia em braile da Constituição Federal também está disponível no espaço, tendo como principal objetivo a inclusão dos deficientes físicos e visuais.

    Ao final do evento, o humorista e deficiente visual Geraldo Magela apresentou um esquete de seu show “Ceguinho é a mãe”.

    Dia Nacional da Consciência Negra

    Durante a solenidade, Jorginho Mello fez uma homenagem aos servidores Marilú Lima de Oliveira e Walter da Luz Filho, pela passagem do Dia Nacional da Consciência Negra, 20 de novembro. Marilú é coordenadora de Estágios Especiais e Walter é coordenador de Publicação. (Graziela May Pereira/Divulgação Alesc)

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)